Pular para o conteúdo principal

Quilo de farinha chega a R$ 10, e registra maior alta dos últimos 20 anos no Maranhão


farinha d'agua
Do G1
Quem é maranhense, sabe. Farinha na mesa é coisa sagrada. “O maranhense gosta muito de farinha, né? É o pirão mesmo, só em cima do arroz, de qualquer jeito, o maranhense gosta de farinha”, disse o comerciante João Crescêncio. “Se eu olhar o arroz na mesa e não tiver a farinha, não me satisfaz. Agora, se tiver a farinha e não tiver o arroz, eu como”, revelou o carpinteiro Manoel da Conceição Soares.
Apreciada como sempre, cara como nunca. “Tá caro de exagerado. A gente lamenta, infelizmente, foi uma crise das plantações. Realmente aqui no Maranhão tão até parando de plantar”, contou o vendedor Antonio Soares.
Pinheiro tem a fama de produzir uma das farinhas mais saborosas do estado. Além disso, é um dos maiores produtores maranhenses. Mas, até por lá, o quilo da farinha “está custando o olho da cara”, como costuma dizer  povo da região. “Essa é biriba. Tá R$ 10,00. Essa comum aqui tá R$ 8,00″, disse o comerciante José de Ribamar Menezes.
Os produtores dizem que é a maior alta dos últimos 20 anos. A explicação para o aumento está na cadeia produtiva e vários fatores explicam. Um deles é a estiagem, que começou cedo e se prolongou por muito mais tempo. Faltou chuva e a mandioca não cresceu o quanto o produtor esperava.
O produtor Edvan Silva plantou a mandioca em agosto do ano passado. Como é um plantio mecanizado, esperava colher já em março. Mas a chuva não veio como ele esperava. “Cheio de esperança. Tava chovendo bastante, aí depois que eu plantei, a chuva desapareceu. Aí nasceu uma parte. A outra parte, eu plantei novamente, quando choveu um pouquinho”, disse.
Edvan arranca uma maniva para nos mostrar como a raiz se desenvolveu e a constatação não é animadora. “Aí, ó. Se tivesse a chuva? Se tivesse a chuva, essa aqui tava boa”, lamentou.
Nas casas de forno, os tanques estão quase todos vazios e o número reduzido de gente trabalhando também mostra o quanto a mandioca está em falta. Para o lavrador Francisco dos Santos Abreu, além da chuva, falta gente para trabalhar na lavoura, assistência técnica e incentivo para os assentamentos. “Antes tinha muito projeto aí. O Incra investiu em muito projeto. Deu uns dois anos, aí que deu muita farinha, mas depois o pessoal foi abandonando os projetos”, contou.
Segundo o lavrador, é por falta de bons resultados na roça que os homens da região estão abandonando a lavoura para trabalhar em grandes obras pelo país a fora. “Tão tudo trabalhando em firma. Os mais novo tão tudo no mundo. Eu mesmo, os que trabalhava comigo, foram tudo embora”, explicou.
Os lavradores ainda enfrentam outro problema. A chuva alternada com sol intenso e temperaturas altas favorecem o desenvolvimento de um tipo de fungo que causa a podridão da mandioca. As que não apodrecem, perdem a qualidade.
A qualidade da mandioca influencia diretamente no preço da farinha. Quando ela está boa, a massa  é consistente. O produtor precisa de, no máximo, 100 quilos de mandioca para produzir 30 quilos de farinha. Quando caem as primeiras chuvas, a coisa muda totalmente de figura. Metade da massa se transforma em água. Os produtores costumam dizer que a mandioca está “degenerada”. Com isso, para produzir os mesmos 30 quilos, a quantidade de polpa dobra.
“No verão, a gente bota 100 quilos de mandioca para fazer 30 quilos de farinha. Hoje, a gente bota uma base 200 quilos de mandioca pra dar 30 quilos de farinha. Aí, a gente perde muito por isso, mas o que a gente vai fazer? A gente depende da mandioca pra sobreviver e isso vai da natureza”, diz o lavrador.
Porão dos Pirrós é o maior produtor de farinha biriba da região. Na época da boa safra, que vai de maio até outubro, chega a produzir 30 toneladas de farinha por mês. Agora, a produção caiu pela metade. “Isso é uma coisa que deixa a gente preocupado. Nós temos hoje três agroindústria no Porão dos Pirrós, pra nós manter elas funcionando e vender pra cidade de Pinheiro, Santa Helena, enfim, na baixada e capital. Estamos usando a pouca que nós temos e tamo buscando nos povoados que não são assentamentos e também nos municípios vizinhos”, revelou o produtor.
Se a farinha é pouca e a procura é grande, o preço vai para as alturas. Em dezembro, os valores começaram a subir e não pararam mais. Para o lavrador Joacy dos Santos Vieira, é uma oportunidade de pagar as contas. “Ajuda nas despesas da gente, financeira, que a gente tá devendo uma continha. Por causa do preço, a gente corre e vai acertar as contas da gente, mas, por outro lado, eu acho que a gente perde muito mais”, disse.
Assim, a farinha, que já foi comida de pobre, está virando artigo de luxo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Morre Nilda Rocha, mãe do deputado federal Hildo Rocha

Faleceu no início da noite deste sábado (25/03), a Sra. Nilda Pereira da Rocha, aos 77 anos de idade, vítima de parada cardíaca.

Nilda Rocha estava internada na UTI do Hospital Português desde o dia 14 deste mês.

Viúva, empresária aposentada, Nilda Rocha deixa os seguintes filhos: Jório Pereira da Rocha Júnior; Hildo Rocha; Fabiola da Rocha Monte; Joni Pereira da Rocha; onze netos e cinco bisnetos.

O velório será na sala 3 da Pax União, Rua Osvaldo Cruz, 1233, Canto da Fabril, a partir da meia-noite.

O enterro será amanhã (26/03) às 16 horas, no cemitério Memorial Pax.
Rua do Fio 100. Rodovia MA - 204. Mocajituba.

Cantanhede adere a protestos contra a reforma da Previdência.

O Sintaspunc realizou uma caminhada pelas ruas da cidade para protestar contra a Reforma da previdência, e demandas específicas da categorias, além de pedido pela saída de Temer da presidência.

O protesto nacional foi convocado para esta quarta-feira(15) por sindicatos de classes, partidos políticos de oposição ao governo federal e ao presidente Temer, têm como objetivo principal a luta contra a reforma da Previdência. Em Cantanhede os manifestantes andaram pelas ruas da cidade, com paradas em pontos específicos como a frente da prefeitura municipal, e Secretaria de Educação.O protesto realizado por parte dos professores, incluem a greve de 24 horas na rede municipal de ensino.

Dentre tantas outras reivindicações locais, a frase “Fora, Temer” estava em faixas conduzidas por manifestantes.

NANDO AGUIAR, QUEM É? DE ONDE VEIO E QUAL SEU OBJETIVO NA CÂMARA DE VEREADORES DE CANTANHEDE?

A pergunta que não quer calar, qual objetivo da presença, e até da participação na tribuna da câmara de vereadores de Cantanhede, de Nando Aguiar? Será que os vereadores Emerson Costa e Jairon Dantas não são capazes de se defenderem sozinhos? Até agora várias pessoas não entenderam porque Nando Aguiar teve o privilégio de se manifestar na tribuna na sessão desta segunda-feira, atribuindo a si a vinda da chamada “carreta da mulher” para Cantanhede e dizer que foi um pedido de vereadores ligados ao governo do estado, Nando pra quem não sabe é da cidade de Miranda do Norte, e ocupa o cargo politico nominado superintendência regional de articulação política, dizem pela região que o mesmo tenta credenciar-se a candidato a deputado estadual, e que têm procurado aliados, e feito ações na região para conseguir tal feito, dentre elas levando a tal “Carreta da mulher” para as cidades da região, na desculpa de divulgar o seu nome e o de seu chefe maior o governador Flavio Dino. Após teatro de Na…