MDA irá propor projeto para viabilizar o desenvolvimento do Quilombo Rio dos Macacos

Após a sinalização da Presidenta Dilma Rousseff para que haja negociação com o Quilombo Rio dos Macacos (no estado da Bahia) e a Marinha, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, Deputado Domingos Dutra(PT/MA), esteve reunido com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, para sanar os graves problemas enfrentados na comunidade. Também estiveram presentes na audiência para fortalecer e contribuir com as negociações os deputados Amauri Teixeira(PT/BA) e Valmir Assunção(PT/BA).
Domingos Dutra solicitou ao ministro que os técnicos do MDA desenvolva um estudo sobre o território para os quilombolas e proponha políticas públicas que venham garantir melhor qualidade de vida e capacitação profissional aos moradores da localidade. “Garantir moradias descentes e adequadas, possibilitar o acesso à educação, criar ponto de comercialização do artesanato criado pela comunidade e oferecer recursos para a auto-sustentação dos quilombolas são algumas das alternativas que julgo necessárias para tirar o Rio dos Macacos da margem do desrespeito”, declara o parlamentar.
De acordo com o ministro Pepe Vargas, o MDA está disposto a elaborar, juntamente com os parlamentares, um projeto que viabilize o direito dos quilombolas ao território Rio dos Macacos.
“Estarei acompanhando de perto as propostas elaboradas pelo governo para essa comunidade que tanto sofre pela falta de atenção”, conclui Domingos Dutra.


Salis Chagas, Assessor de Imprensa.

Comentários

  1. A reunião com o ministro, na verdade, foi solicitada pelo deputado federal Luiz Alberto (PT/BA) e sequer foi citada a presença dele nesta matéria.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Acesse Cantanhede News - faça seu comentário, lembramos que não publicamos comentários de anônimos.

Postagens mais visitadas deste blog

CBF unifica títulos e oficializa Palmeiras como maior campeão Brasileiro

KABÃO COMANDA ESQUEMA DE CORRUPÇÃO NA SAÚDE DE CANTANHEDE - O esquema envolve irmã, filha, amigos, parentes da secretária de saúde e até uma ex-prefeita comunista.